Pular para o conteúdo principal

Vale a pena empreender em marketing multinível?

Resultado de imagem

“Quer melhorar de vida?”

Já deve ter acontecido com você. Um conhecido ou conhecida te convida a participar de um evento misterioso, mas não passa grandes detalhes. No dia e hora marcados, você aparece e assiste à um discurso comercial (selling pitch) digno de Oscar.

Nele, vendedores categoria “diamante, ruby ou top” apresentam histórias inacreditáveis sobre como venceram desafios pessoais e hoje dirigem carros importados, além de conhecerem o mundo graças aos prêmios que receberam. Tudo isso, acrescentam, foi possível após se tornarem representantes ou distribuidores da Hinode, Herbalife ou Jeunesse.

“Não vamos te vender esse produto”

Há alguns anos, eu passei por isso. Um amigo me convidou à participar de um evento misterioso. Compareci, desconfiado sobre o que encontraria. No local, fui bombardeado sobre como sería bem sucedido financeiramente se comprásse o produto. Começar era fácil, bastava fazer um pedido mínimo de cerca de R$4mil na época. Como eu estava no evento para satisfazer minha curiosidade e aprender – afinal, sou professor de empreendedorismo – , a oferta não me interessou (confesso que até hoje quero o sonho que eles venderam).

Na ocasião, perguntei à um dos “vendedores gold” sobre quem poderia me vender uma pequena quantidade de produtos, para consumo pessoal. A resposta dele foi “não vamos te vender, ninguém aqui vai te vender.” Achei a resposta um pouco estranha. Que empresa é essa onde um consumidor não pode comprar R$100 em produtos? Como ela se sustenta?, foram algumas das perguntas que me fiz na hora.

Mais análise, menos emoção

Durante a fase de análise de oportunidades de um negócio, é importante que sejam utilizadas premissas para apoiar desições. Premissas são indicadores  – com base em informações disponíveis ou criadas – que ajudam na organização de ideias. Por exemplo, para ganhar R$10 mil, é preciso vender 100 produtos a R$100 cada. Nesse caso, foram apresentadas 3 premissas: o faturamento total, a quantidade de produtos vendidos e o preço do produto.



Considere a empresa de marketing multinivel que você está pensando em se associar. Como eles fazem a maior parte da receita? Em eventos de lançamento onde é preciso juntar 100 pessoas para que 30 se interessem e 10 entrem no negócio? Ou o modelo de negócios é focado em vendas ao consumidor final, onde são necessárias centenas de visitas por semana?

São dois modelos diferentes. Em um, o negócio “gira” pois muitas pessoas compram de uma vez um volume alto. No outro, as vendas têm um ticket médio menor, pois são os consumidores finais que compram. Em outras palavras, um modelo é o de vendas via “evento,” enquanto o outro é mais tradicional (de porta em porta ou por meio de um ponto de venda).

Como decidir?

Independente dos motivos que o(a) levam a empreender um novo negócio, recomenda-se começar com uma pesquisa. Veja se o negócio está listado no site da Associação Brasileira das Empresas de Vendas Diretas, participe de eventos das empresas que você está avaliando representar e converse com vendedores. Não apenas os “diamante, ruby ou top” –, mas aqueles que entraram recentemente no negócio e aqueles que saíram. Enfim, faça a lição de casa com o objetivo de comparar oportunidades de negócio.
Voltando ao evento que participei... muitos dos presentes estavam passando por dificuldades financeiras. Alguns mais do que outros. Percebi que o que estava sendo vendido no dia não eram produtos, mas uma “solução para problemas pessoais.”

Frequentemente ouvimos as pessoas falarem que “esse ou aquele setor dá muito dinheiro” ou “fulano está ganhando bem vendendo isso...” A realidade é que existem pessoas ganhando e perdendo dinheiro em todos os setores da economia. Seja crítico(a) quando alguém tentar lhe “empurrar” uma solução fácil para uma situação complexa.

Por outro lado, existem empresas sérias que trabalham no formato mono ou multinível. Faço um convite para você iniciar a procura por esse tipo de empresa. Não espere as oportunidades chegarem até você.


THIAGO DE CARVALHO é mestre em ensino de negócios pela Universidade de Nova York, professor do Insper e idealizador da Metodologia QEMP.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os 6 tipos de empreendedores: você sabe em qual você se encaixa?

Com a constante crescente do empreendedorismo no Brasil, crescem também os estudos e definições sobre o tema. Nunca se falou tanto em empreendedorismo no Brasil como nos últimos anos. Ainda bem! Com a economia mundial longe de uma estabilidade plena e duradoura, dar o tão temido passo rumo ao empreendedorismo pode ser uma solução ou uma hipótese a ser totalmente recusada. Como você se vê diante disso? Como a cultura empreendedora faz parte da sua vida?  Quais são os tipos de empreendedores existentes hoje? Eu sei que nossos leitores por aqui são antenados, mas não custa reforçar: ser empreendedor não é necessariamente ter um negócio próprio. Inclusive você pode ter o seu negócio e ser “apenas” um empresário, não um empreendedor. Bem como um funcionário pode ser empreendedor sendo “apenas” colaborador de uma companhia.   O desejo por mais qualidade de vida também influenciou para o crescimento do empreendedorismo O pensar empreendedor, somado à vontade de deixar de receber

Nós vivemos em nossa mente

Gastamos muito tempo comprando casas bonitas, decorando-as de acordo com os nossos desejos, fazendo tudo parecer muito agradável. Nós as mantemos limpas, bem mobiliadas e lindamente decoradas, e as exibimos com orgulho para as outras pessoas. Mas, na verdade, não vivemos em nossa casa, vivemos em nossa mente. Também passamos muito tempo cuidando de nossa aparência física, sempre tentando parecer jovens e atraentes, usando o tipo certo de roupas e procurando dar às pessoas o tipo certo de impressão. Nós pensamos: “Este sou eu”. Se vamos para outro lugar, deixamos nossa casa para trás, não somos caracóis. Mas carregamos nossa mente conosco para todos os lugares, vivemos dentro dela. Tudo o que vemos é projetado para nós através de nossos órgãos dos cinco sentidos, incide sobre nossa consciência e, em seguida, é interpretado pela mente. A mente em si é considerada um sexto sentido, aquele que está constantemente produzindo memórias, pensamentos, ideias, opiniões, julgamentos, gos

Meu negócio quebrou. E agora?

Montar (ou fechar) o primeiro negócio ainda é tabu para muitas pessoas. Se você já passou por isso ou está planejando começar (ou fechar) um, mais cedo ou mais tarde irá se perguntar se está no caminho certo. Seja motivado por fatores externos (pressão da família ou amigos) ou internos (autocobrança), você se pegará pensando: estou na direção do sucesso ou fracasso? Ao longo dos anos, acompanhei muitos empreendedores durante a fase de preparação e planejamento de uma empresa (inclusive minhas). Aprendi que os motivos que levam alguém a empreender o negócio próprio têm relação direta com a percepção de sucesso ou fracasso. 3 lojas de uma vez Certa vez acompanhei um colega que trabalhava como gerente em um banco durante seus primeiros passos como empreendedor. Com um salário de R$10mil por mês, seu principal objetivo com o novo negócio era obter uma renda igual ao que tinha como funcionário. Para isso, decidiu abrir ao mesmo tempo três franquias de uma rede que vend