Pular para o conteúdo principal

O melhor professor de empreendedorismo é você mesmo.


Semana passada eu comprei uma revista que trazia reportagens sobre o mundo das cervejas. Os artigos abordavam diversos temas, como as principais “escolas” cervejeiras e dicas sobre como produzir cerveja em casa.

Aprendi que existe a “escola” européia - mais tradicional, formada pelas fábricas e métodos de produção da Alemanha e Bélgica, por exemplo. Também li sobre os produtores Norte Americanos, considerados mais modernos, que dão força ao movimento das microcervejarias.



A outra reportagem que me chamou a atenção era sobre como produzir cerveja em casa. #voufazercerveja!, pensei na hora. Empolgado com as possibilidades, comecei a tomar notas aleatórias sobre o que enfrentaria para ter uma mini-fábrica:

• Quem são as pessoas e livros que preciso ter contato?
• Onde vou produzir e onde vou estudar sobre o assunto?
• Quanto tempo e dinheiro preciso para fabricar o primeiro lote?
• Como lidar com a frustração que vou encontrar durante o processo?
• Como lido com as partes chatas desse trabalho?
• Com quem vou tirar as dúvidas que terei?
• Preciso fazer algum teste para conhecer minha habilidade atual?
• Assim que produzir os primeiros lotes, como ganho dinheiro com isso?

Alguns vão dizer que a última questão é a mais “empreendedora” de todas, talvez a única que trata do assunto. Mas por que esse tópico – ganhar dinheiro – apareceu na minha lista? Afinal, meu objetivo principal é produzir cerveja, não vender. Pensando um pouco sobre isso, cheguei à uma conclusão.


Ao iniciar um projeto de aprendizagem na área “da cevada,” eu automaticamente comecei a me imaginar conversando com os melhores mestre-cervejeiros, lendo os principais blogs e revistas sobre o assunto. Em alguns meses, pensei, minha produção estaria boa o suficiente à ponto de meus amigos oferecerem dinheiro em troca de algumas das garrafas.

Conforme o tempo passar, continuei, vou visitar feiras especializadas, conversarei com distribuidores internacionais e trocarei experiências sobre como melhorar os lotes que estragaram.

Embora esse seja um cenário de médio e longo prazo, antes de produzir comercialmente e me dedicar tempo integral à nova empreitada, preciso aprender o básico sobre como produzir com qualidade. E qualidade é algo relativo.


Eu e meus amigos podemos aceitar uma cerveja mediana, regular. Por outro lado, assim que o público geral entrar em contato com o produto, eles irão comparar com outras marcas e experiências que tiveram. Logo, eles não terão a mesma paciência.

Se eu quiser me destacar e transformar meu hobby em profissão, preciso aprender sobre a dinâmica do mercado que vou atuar, os recursos necessários e desenvolver habilidades como controle e planejamento.

Como existem inúmeros estágios a serem completados, em cada um deles vou precisar de um apoio específico. Além disso, quanto mais eu me especializar no assunto, mais terei dúvidas detalhadas.

Após pensar bastante, cheguei à conclusão que minhas dúvidas são as de um iniciante. Assim, vou começar a procurar por conta própria videos no Youtube, textos e cursos gratuitos na internet. Após ganhar um pouco de experiência, vou marcar um bate-papo com um grupo de especialistas que se reúne mensalmente em um bar perto de casa.


Também fiquei sabendo sobre uma feira de cervejas artesanais que acontece na Alemanha. Para mim, é muito cedo para gastar dinheiro com isso, já que quero ter uma noção melhor sobre o assunto antes de investir alguns milhares de dólares na viagem.

O que vou fazer, enfim, é pegar a lista de perguntas que escrevi acima e apresentar à pessoas próximas. Conforme recebo feedback das respostas, eu aprendo e peço indicações sobre outras pessoas com quem possa conversar.

Nesse meio tempo, você está convidado(a) à degustar comigo o primeiro lote.
--

THIAGO DE CARVALHO é mestre em ensino de negócios pela Universidade de Nova York, professor de Empreendedorismo do Insper e idealizador da Metodologia QEMP.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que é assessment?

Assessment é uma palavra do inglês que significa “avaliação”. Diferentemente das avaliações que estamos acostumados (como provas que ocorrem ao final de um período), um assessment é uma avaliação feita para apoiar o início de um programa de desenvolvimento. Descubra agora o que é assessment e como ele pode ajudar no seu dia a dia! Quando alguém decide estudar inglês, por exemplo, uma das primeiras coisas que ela faz é um teste para descobrir seu nível de conhecimento da língua. A partir desse teste (que pode ser chamado de assessment ou avaliação), a coordenação da escola indica qual o módulo a ser cursado: inglês básico, intermediário ou avançado. De modo simplificado, assessments ocorrem constantemente em nossas interações com pessoas, amigos ou profissionalmente. Quando você pergunta “como vai?” ou quando alguém analisa seu currículo, um assessment está em andamento. Tipos de assessment No caso dos testes de idiomas, claramente há respostas certas e erradas. Em inglês, a grafia cor…

Nós vivemos em nossa mente

Gastamos muito tempo comprando casas bonitas, decorando-as de acordo com os nossos desejos, fazendo tudo parecer muito agradável. Nós as mantemos limpas, bem mobiliadas e lindamente decoradas, e as exibimos com orgulho para as outras pessoas. Mas, na verdade, não vivemos em nossa casa, vivemos em nossa mente.

Também passamos muito tempo cuidando de nossa aparência física, sempre tentando parecer jovens e atraentes, usando o tipo certo de roupas e procurando dar às pessoas o tipo certo de impressão. Nós pensamos: “Este sou eu”.

Se vamos para outro lugar, deixamos nossa casa para trás, não somos caracóis. Mas carregamos nossa mente conosco para todos os lugares, vivemos dentro dela. Tudo o que vemos é projetado para nós através de nossos órgãos dos cinco sentidos, incide sobre nossa consciência e, em seguida, é interpretado pela mente.

A mente em si é considerada um sexto sentido, aquele que está constantemente produzindo memórias, pensamentos, ideias, opiniões, julgamentos, gostos e …

Meu negócio quebrou. E agora?

Montar (ou fechar) o primeiro negócio ainda é tabu para muitas pessoas. Se você já passou por isso ou está planejando começar (ou fechar) um, mais cedo ou mais tarde irá se perguntar se está no caminho certo.
Seja motivado por fatores externos (pressão da família ou amigos) ou internos (autocobrança), você se pegará pensando: estou na direção do sucesso ou fracasso?
Ao longo dos anos, acompanhei muitos empreendedores durante a fase de preparação e planejamento de uma empresa (inclusive minhas). Aprendi que os motivos que levam alguém a empreender o negócio próprio têm relação direta com a percepção de sucesso ou fracasso.
3 lojas de uma vez
Certa vez acompanhei um colega que trabalhava como gerente em um banco durante seus primeiros passos como empreendedor. Com um salário de R$10mil por mês, seu principal objetivo com o novo negócio era obter uma renda igual ao que tinha como funcionário. Para isso, decidiu abrir ao mesmo tempo três franquias de uma rede que vende cervejas artesanais. O…