Pular para o conteúdo principal

Todos nós buscamos a felicidade


Todos nós, seres humanos, possuímos uma motivação básica: a busca pela felicidade. Queremos ser felizes.

Todas as nossas decisões e tudo que o fazemos é em busca pela felicidade.

De forma consciente ou inconsciente acreditados que aquilo que fazemos nos trará a felicidade ou bem estar.

A felicidade construída, dependente ou externa é condicionada a realização ou a conquista de algo.

As nossas conquistas, realizações, promoções, elegidos que recebemos, a compra de um bem, a participação em uma festa, nos propicia uma felicidade construída, externa e temporária.

Quando este momento passa, termina, voltamos a nos sentir insatisfeitos ou infelizes.

Ela cria um círculo vicioso, sem fim, onde sempre estamos buscando a felicidade no futuro, gerando ansiedade e insatisfação.

Mas existe outra felicidade, pouco conhecida e praticada, que está sempre a disposição e não precisa ser construída.

É a felicidade inata ou independente, que vem do coração e é incondicional.

Ela está disponível à todos nós, basta darmos as condições para que ela se manifeste livre e gratuitamente.




E como podemos fazer isso?

Silenciando a nossa mente, reduzindo o nosso ego e, principalmente, vivendo o aqui-agora, no momento presente.

No fundo, só podemos ser felizes no agora. A vida só está presente no agora.

Então eu proponho um exercício: nos conectar com o agora, percebe-lo claramente e deixar a felicidade se manifestar incondicionalmente.

Esta é a felicidade mais conhecida e buscada pela maioria das pessoas, através de fatores externos, construídos em suas mentes.


Alexandre Carneiro
www.educandorismo.com.br



O programa #educandorismo ajuda empreendedores, micro e pequenos empresários e profissionais liberais a identificarem suas habilidades e pontencialidades para empreender e a descobrirem seus pontos fortes e fracos para aprimorar os seus negócios através da metodologia QEMP, do Sistema de Mentoria ISOR® e de ferramentas modernas de gestão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os 6 tipos de empreendedores: você sabe em qual você se encaixa?

Com a constante crescente do empreendedorismo no Brasil, crescem também os estudos e definições sobre o tema. Nunca se falou tanto em empreendedorismo no Brasil como nos últimos anos. Ainda bem! Com a economia mundial longe de uma estabilidade plena e duradoura, dar o tão temido passo rumo ao empreendedorismo pode ser uma solução ou uma hipótese a ser totalmente recusada. Como você se vê diante disso? Como a cultura empreendedora faz parte da sua vida?  Quais são os tipos de empreendedores existentes hoje? Eu sei que nossos leitores por aqui são antenados, mas não custa reforçar: ser empreendedor não é necessariamente ter um negócio próprio. Inclusive você pode ter o seu negócio e ser “apenas” um empresário, não um empreendedor. Bem como um funcionário pode ser empreendedor sendo “apenas” colaborador de uma companhia.   O desejo por mais qualidade de vida também influenciou para o crescimento do empreendedorismo O pensar empreendedor, somado à vontade de deixar de receber

Nós vivemos em nossa mente

Gastamos muito tempo comprando casas bonitas, decorando-as de acordo com os nossos desejos, fazendo tudo parecer muito agradável. Nós as mantemos limpas, bem mobiliadas e lindamente decoradas, e as exibimos com orgulho para as outras pessoas. Mas, na verdade, não vivemos em nossa casa, vivemos em nossa mente. Também passamos muito tempo cuidando de nossa aparência física, sempre tentando parecer jovens e atraentes, usando o tipo certo de roupas e procurando dar às pessoas o tipo certo de impressão. Nós pensamos: “Este sou eu”. Se vamos para outro lugar, deixamos nossa casa para trás, não somos caracóis. Mas carregamos nossa mente conosco para todos os lugares, vivemos dentro dela. Tudo o que vemos é projetado para nós através de nossos órgãos dos cinco sentidos, incide sobre nossa consciência e, em seguida, é interpretado pela mente. A mente em si é considerada um sexto sentido, aquele que está constantemente produzindo memórias, pensamentos, ideias, opiniões, julgamentos, gos

Meu negócio quebrou. E agora?

Montar (ou fechar) o primeiro negócio ainda é tabu para muitas pessoas. Se você já passou por isso ou está planejando começar (ou fechar) um, mais cedo ou mais tarde irá se perguntar se está no caminho certo. Seja motivado por fatores externos (pressão da família ou amigos) ou internos (autocobrança), você se pegará pensando: estou na direção do sucesso ou fracasso? Ao longo dos anos, acompanhei muitos empreendedores durante a fase de preparação e planejamento de uma empresa (inclusive minhas). Aprendi que os motivos que levam alguém a empreender o negócio próprio têm relação direta com a percepção de sucesso ou fracasso. 3 lojas de uma vez Certa vez acompanhei um colega que trabalhava como gerente em um banco durante seus primeiros passos como empreendedor. Com um salário de R$10mil por mês, seu principal objetivo com o novo negócio era obter uma renda igual ao que tinha como funcionário. Para isso, decidiu abrir ao mesmo tempo três franquias de uma rede que vend